Área de Associados


X    fechar
Webmail


X    fechar
Webmail


X    fechar
Extensões de Base
X    fechar


Boletim Eletrônico

27 de Maio de 2015

Governo não libera subvenção do seguro do milho safrinha


Pela primeira vez, desde 2006, os produtores de milho safrinha (segunda safra) de todo o País não receberão a subvenção ao prêmio do seguro rural do produto para o ciclo 2014/15. A demanda para este ano estava estipulada em R$ 58,5 milhões para cinco mil agricultores por todo o território nacional, sendo que aproximadamente 70% deste volume (R$ 40,9 milhões) seria destinado ao Paraná. No ano passado, o valor liberado para a subvenção da commodity no País foi de R$ 72 milhões e, em 2013, R$ 97,5 milhões.

Isso significa que os produtores que plantaram o milho safrinha entre janeiro e abril no Estado deverão arcar sozinhos com os custos do seguro. Em outros anos, o governo bancava 60% do valor da apólice e os produtores com os 40% restantes. Agora, as seguradoras devem emitir os boletos com os valores residuais que deverão ser arcados pelos produtores entre os meses de agosto e setembro. “A maioria dos produtores ainda não sabe que isto ocorreu. Vamos tentar reverter a situação junto aos deputados da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA)”, explica o assessor técnico e econômico da Faep, Pedro Loyola.

Segundo a FPA, o governo federal justifica a não liberação da verba porque “não houve tempo hábil para o Comitê Gestor do Seguro Rural deliberar sobre o assunto antes do plantio”. Agora, com a safra totalmente plantada e com expectativa de boa produtividade, “o governo acredita que conceder a subvenção neste momento significa apenas engordar o lucro das seguradoras”.

A Faep salienta que o governo não informou com antecedência que não liberaria a subvenção do seguro do milho safrinha e os produtores não podiam adivinhar como seria o clima, de forma que contrataram o seguro, já que o plantio ocorreu de janeiro a abril. “Como os seguros já estavam contratados, a informação do Mapa chega com seis meses de atraso, gerando prejuízos financeiros aos agricultores de São Paulo, Mato Grosso do Sul e Paraná, que serão cobrados pelas companhias seguradoras para quitarem a parte da taxa prêmio que deveria ter sido arcada pelo governo federal”, salienta Loyola.

Vale dizer que no Paraná a cultura do milho safrinha é mais suscetível ao clima nos meses de junho e julho, quando há riscos de geada. A entidade também relata que a taxa do prêmio da apólice para este produto é uma das mais altas entre todos os seguros.

Por fim, o Ministério da Agricultura (Mapa) sugeriu às entidades ligadas ao agronegócio que os produtores cancelassem as apólices contratadas. “O produtor não vai cancelar a apólice contratada, pois quer proteção contra as adversidades climáticas até a colheita. Além disso, como a maioria fez o seguro entre janeiro e março e já pagou os 40% do prêmio, o valor a ser ressarcido seria mínimo, pois as seguradoras têm uma tabela para cancelamento, prevendo desconto do período em que a apólice ficou vigente e descontando também o custo de corretagem”, diz a nota da FPA.

De acordo com informações do Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria de Agricultura do Estado do Paraná (Seab), o Paraná deve produzir 10 milhões de toneladas de milho safrinha neste ciclo, queda de 3% frente ao ano passado. A área de plantio permaneceu estável em 1,89 milhão de hectares.

Fonte: Folha de Londrina



Mais Notícias



Fale Conosco

(44) 3220-1550


Rua Piratininga, 391 - Edifí­cio Lavoura - Fax (44) 3220-1571 - CEP 87013-100

Maringá - Brasil


 
Via Site